fbpx

A Quarta Revolução Industrial: o que significa e quais são os desafios?

Estamos próximos de uma revolução tecnológica que vai alterar fundamentalmente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos uns com os outros. Pela sua complexidade, alcance e escala, a transformação será diferente de qualquer coisa que a humanidade tenha experimentado antes.

A Primeira Revolução Industrial usou água e vapor para mecanizar a produção.
A Segunda usou energia elétrica para criar produção em massa.
A Terceira usou a eletrônica e a tecnologia da informação para automatizar a produção.
Agora, a Quarta Revolução Industrial está sendo construída pela Terceira, através da revolução digital que vem ocorrendo desde meados do século passado. Caracteriza-se por uma fusão de tecnologias que está confundindo os limites entre as esferas digitais, biológicas e físicas.

Há três razões pelas quais as transformações de hoje representam não apenas um prolongamento da Terceira Revolução Industrial, mas sim a chegada de uma Quarta e distinta revolução: a velocidade, o escopo e o impacto dos sistemas.
A velocidade dos avanços atuais não tem precedentes históricos. Quando comparado com as revoluções industriais anteriores, a quarta está evoluindo em um ritmo exponencial ao invés de linear. Além disso, está perturbando quase todas as indústrias de todos os países e a amplitude e profundidade dessas mudanças anunciam a transformação de sistemas inteiros de produção, gestão e governança.

As possibilidades de bilhões de pessoas conectadas por dispositivos móveis, com poder de processamento sem precedentes, capacidade de armazenamento e acesso ao conhecimento, são ilimitadas. E essas possibilidades serão multiplicadas por descobertas tecnológicas emergentes em áreas como inteligência artificial, robótica, Internet de Coisas, veículos autônomos, impressão 3D, nanotecnologia, biotecnologia, ciência de materiais, armazenamento de energia e computação quântica.

Já a inteligência artificial está ao nosso redor, de carros autônomos e drones para assistentes virtuais e software que traduzem ou investem. O progresso feito na inteligência artificial nos últimos anos tem sido impressionante, impulsionado por aumentos exponenciais no poder de computação e pela disponibilidade de grandes quantidades de dados.

Tecnologias de fabricação digital, entretanto, estão interagindo com o mundo biológico em uma base diária. Engenheiros, designers e arquitetos estão combinando design computacional, fabricação de aditivos, engenharia de materiais e biologia sintética para pioneiros de uma simbiose entre microorganismos, nossos corpos, os produtos que consumimos e até mesmo os edifícios que habitamos.

Desafios e oportunidades

Tal como as revoluções que a precederam, a Quarta Revolução Industrial tem o potencial de aumentar os níveis de rendimento global e melhorar a qualidade de vida das populações em todo o mundo.

Até agora, aqueles que ganharam mais com ele foram os consumidores capazes de pagar e acessar o mundo digital. Tecnologia tornou possível novos produtos e serviços que aumentam a eficiência e o prazer de nossas vidas pessoais. Pedir um táxi, reservar um voo, comprar um produto, fazer um pagamento, ouvir música, assistir a um filme ou jogar um jogo – qualquer um destes pode agora ser feito remotamente.

No futuro, a inovação tecnológica também vai levar a um milagre do lado da oferta, com ganhos a longo prazo em termos de eficiência e produtividade. Os custos de transporte e de comunicação vai cair, logística e cadeias de fornecimento globais tornam-se mais eficazes, e o custo do comércio vai diminuir, vai abrir novos mercados para tudo e impulsionar o crescimento econômico.

 

O impacto nos negócios

Muitos CEOs e grandes executivos confessam que a aceleração da inovação e a velocidade da disrupção são difíceis de compreender ou antecipar e que novos concorrentes que entram no mercado constituem uma fonte de surpresa constante, mesmo para os melhores e mais bem informados. De fato, em todas as indústrias, há evidências claras de que as tecnologias que sustentam a Quarta Revolução Industrial estão tendo um grande impacto sobre as empresas.

Do lado da oferta, muitas indústrias estão vendo a introdução de novas tecnologias que criam maneiras inteiramente novas de atender às necessidades existentes e as cadeias de valor da indústria existente.

A disrupção também está vindo de concorrentes ágeis e inovadores que, graças ao acesso a plataformas digitais, desenvolvimento, marketing, vendas e distribuição, podem concorrer em iguais condições com as empresas históricas bem estabelecidas e mais do que nunca, melhorando a qualidade, a velocidade ou o valor que é entregue.

Também estão ocorrendo grandes mudanças no lado da demanda, à medida que a crescente transparência, o engajamento do consumidor e os novos padrões de comportamento dos consumidores (cada vez mais baseados no acesso a redes e dados móveis) obrigam as empresas a adaptarem a forma como concebem, comercializam e fornecem produtos e serviços.

Em geral, há quatro efeitos principais que a Quarta Revolução Industrial tem nos negócios – nas expectativas dos clientes, no aprimoramento do produto, na inovação colaborativa e nas formas organizacionais. Os consumidores, as empresas ou os clientes estão cada vez mais no epicentro da economia, e será preciso melhorar a forma como os clientes são servidos.

Os produtos e serviços físicos, podem agora ser aprimorados com recursos digitais que aumentam seu valor.
As novas tecnologias tornam os ativos mais duráveis e resistentes, enquanto os dados e análises estão transformando a forma como são mantidos.

Um mundo de experiências de clientes, serviços baseados em dados e desempenho de ativos por meio da análise, por sua vez, requer novas formas de colaboração, particularmente dada a velocidade com que a inovação e a interrupção estão ocorrendo. E o surgimento de plataformas globais e outros novos modelos de negócios, finalmente, significa que talento, cultura e formas organizacionais terão que ser repensados.

Em geral, a mudança inexorável da digitalização simples (a Terceira Revolução Industrial) para a inovação baseada em combinações de tecnologias (a Quarta Revolução Industrial) está forçando as empresas a reexaminarem a maneira como fazem negócios. A linha de fundo, no entanto, é a mesma: líderes empresariais e executivos precisam entender seu ambiente em mudança, desafiar as suposições de suas equipes operacionais e inovar incansavelmente e continuamente.

Leia também:

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *